Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

domingo, 19 de março de 2017


A todos os pais, dignos desse título...

(Escrito aos 18 anos, 16 dias após perder o meu pai, cheia de saudades. Naif, simples, mas muito sentido - inédito)

Bendito o escritor
que na prosa deixa a vida,
bendito o poeta
que se imortaliza com os seus versos,
bendita a boa fama
que é única a vencer a lei da morte,
bendito alguém
que dá algo a outro alguém.
Bendito sejas tu, pai,
que eras poeta sem saber
porque tudo amavas muito.
Bendito sejas
porque me deste tudo,
porque eras alguém
e deixaste um lugar imortal
no meu coração!
Bendito sejas para mim!

GA


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017



As minhas desculpas por ter andado ausente, ciente do que devo ter perdido por aqui, mas o falecimento de um familiar muito querido e de um outro dependente de mim, têm-me exigido outro tipo de esforço e concentração.
No entanto...



Anda. Caminha aos zigue-zagues. Tropeça também. Faz curvas e contracurvas atordoado pelo cansaço. Chora e continua. Podem apontar-te mil caminhos. Só seguirás aquele de que precisas para te construir. Qualquer que ele seja não desistas. Confia em ti. São os obstáculos que te farão chegar ao topo. 
Parece-te que todos são felizes e só tu navegas em águas alterosas. Ilusão. Todos estão perdidos em busca do mesmo: a consagração do eu; a felicidade suprema inalcansável; um amor mais ou menos perfeito; a explicação da vida...
Um dia, talvez após uma curva em que quase te irás estatelar, surgirá uma estrada muito mais luminosa, em que encontrarás respostas para as tuas perguntas e incertezas. Então, descobrir-te-ás sozinho e nu perante ti mesmo, supremo e soberano juiz e nesse instante serás inteiro.
Tenho a certeza.



sábado, 28 de janeiro de 2017



Meu coração partiu não está em mim
Vai a fugir no meu sonho a cavalo
Diz-me adeus e que é melhor assim
Resgatar-me deste meu ser vassalo.

Antes vivia a vida em frenesim
Na agitação constante de encontrá-lo
Agora esta dormência a que advim
Esta paz triste e lenta em que resvalo.

Agora já não choro por amor
Nem ânsia ou qualquer fúria me detém
Mas uma angústia longa de refém.

E de manhã acordo nesta dor:
Meu coração fugiu - analisei
Mas será que o perdi ou o encontrei?


Elevador do Mercado - Coimbra


Campos do Ribatejo

Cavalo da Escola Secundária D. Duarte


sábado, 21 de janeiro de 2017



Absurdos são os contornos dos dias em que esmagamos o silêncio contra as paredes da casa e renascemos das noites de amargura para viver outra vez. Somos páginas soltas à deriva no espaço. Podíamos dar as mãos neste intervalo, que tem o tamanho triste de uma vida, mas estacamos renitentes aos abraços. 

Os ventos que nos rumam sopram em direcções contrárias. O medo oprime-nos enquanto sorri e acena-nos de todas as frestas com uma ilusória bandeira da paz.


domingo, 15 de janeiro de 2017



Tenho andado ausente. Não prometo ser mais regular por estas paragens. 

Quero dedicar o meu primeiro post de 2017 a todos vocês que passam por aqui. Quero agradecer-vos os minutos de atenção, as palavras amigas, os vossos posts agradáveis que servem para refletir, aprender, ou simplesmente repousar os ouvidos ou o olhar. 
Feliz 2017 para todos! E, apesar das neblinas ou das sombras, cada vez mais é urgente...


Ser como as árvores persistente e estender os ramos para o céu ao ritmo do vento. Alongar o tronco e abraçar a infinitude. Esticar as raízes em busca de mais terra. Acreditar sempre na melodia das folhas que renascem e agradecer às que caem, pois cumpriram o fim para que nasceram. Olhar o céu. Aprender com os pássaros. Não desistir. Não vergar ao cansaço. Teimar. Perdurar. Ser resistente.







































P.S.: As fotos são sempre as que vou tirando nas minhas deambulações pelo espaço...
Beijos
Obrigado!