Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

quarta-feira, 30 de novembro de 2016


Ciclo Coimbra T(em) Poesia 

Foi no passado Sábado, dia 26 de Novembro. Fui convidada pelo meu amigo João Rasteiro para participar no evento "Coimbra T(em) Poesia", na Casa da Escrita em Coimbra e aqui fica o que disse, para quem quiser ter a paciência de ler.
"Agradeço a todos os presentes por terem vindo e agradeço também ao João por me ter convidado. Após o convite do João, duas questões se me colocaram. Por que razão fui convidada pelo João, na qualidade de poeta, se sou essencialmente professora e se ainda só publiquei um livro de poesia? Esta questão leva a outra questão. O que é um poeta? Um poeta será aquele que publica muitos livros de poesia? Será o que, apesar de publicar pouco, publica boa poesia? E poder-se-á falar de boa/má poesia ou de bons/maus versos? Poderá ser ainda um poeta aquele que escreve versos, mas apenas para a gaveta? 
Como tinha estas dúvidas todas, resolvi ir ao dicionário (uma das minhas bíblias) ver o que nos diz sobre a palavra poeta. E o que nos diz é o seguinte: "poeta - adj. que faz poemas ou versos. n.masc. 1. autor de poesia; vate; versejador. 2. autor cuja obra tem características poéticas. 3. aquele que tem inspiração ou imaginação inspirada. 4. idealista, sonhador; 5. indivíduo bem falante, eloquente. 
poeta de água doce - poeta que faz maus versos."
Então seremos todos poetas? 
E eu? Serei poeta?
Se me perguntarem o que sou responderei sem qualquer hesitação "sou professora", porque é o que faço a maior parte do tempo, enquanto não estou a dormir, mas também sou outras coisas. Sou mãe de duas filhas adolescentes, com todo o trabalho e preocupações que isso implica; sou filha de uma mãe praticamente inválida e que depende exclusivamente de mim; sou dona de casa, com todas as tarefas inerentes ao ofício - lavar, passar, secar, arrumar, cozinhar...também sei furar paredes com o berbequim e colocar as buchas e os parafusos, porque gosto de bricolage e decoração. Enfim, no final de tudo isto e no pouco tempo que me resta, faço poesia. Então como funciona em mim o processo da criação poética? De duas formas, através do sofrimento, das "pancadas da vida" e por "encomenda" e como já levo pancadas da vida há muito tempo, embora não se note, já escrevo há muito tempo. 
Uma das primeiras pessoas que me "encomendou" um poema foi a minha muito querida irmã Alexandrina, minha catequista, uma freirinha da Casa de Formação Cristã, o "Refúgio", situado ali ao pé do Clube dos Empresários, que me mandou fazer um poema sobre o Natal (leitura do poema). Eu tinha então por esta altura 10 anos. Hoje já vejo o Natal com outros olhos (leitura de um poema atual sobre o Natal). Depois vieram os textos de escola, encomendados pelos meus brilhantes professores de português, que tive a sorte de ter e pela mão dos quais escrevi variadíssimos textos. Seguidamente, ou talvez em simultâneo, veio a adolescência e os poemas de sofrimento de amor e ainda bem que tive o bom-senso de rasgar tais manuscritos, pois era amor por todo o lado e digamos que não eram palavras demasiado lamechas para que se dessem a ler. Entretanto cheguei a este livro, o "Cores do Silêncio". E por que razão publiquei só agora? Porque eu considero que para publicar, é necessário reunir três coisas: experiência de vida, maturidade e técnica. Os meus poemas da adolescência até podiam ter muito sentimento, mas faltava-lhes maturidade e técnica. Decidi publicar este livro, não por qualquer tipo de pretensão, mas porque achei que tinha mensagens que eu queria partilhar.(leitura de um poema do livro - "Ao Vulgo").
Sei que existem muitas formas de fazer poesia, mas os meus poemas nascem do sofrimento, não apenas do meu, mas daquele que sinto através dos outros, exatamente como o Fernando Pessoa descreveu na sua Autopsicografia - o poeta tem uma dor, uma emoção, um sentimento e depois passa a um segundo patamar da dor, quando racionaliza as emoções, quando trabalha as palavras e as lapida, distanciando-se da dor que sentiu inicialmente. A dor última do poema será a dor do leitor e corresponde à dor da interpretação que poderá não ser de todo coincidente com a do poeta. O poema é um objeto estético e tal como nas outras artes, produz diversas interpretações.
Irei publicar entretanto outro livro que se encontra dividido em três partes e gostaria de ler agora um poema de cada uma delas (leitura dos três poemas).
E como este evento se intitula "Coimbra (T)em Poesia" vou ler agora o poema "A Coimbra" do livro Cores do Silêncio. (leitura do poema).
Deixo-vos um dos meus poemas que foi lido pelo João Rasteiro e declamado pelo poeta Alexandre Sarrazola nesta sessão:"




quando nascemos
os bichos abriram desmesuradamente os olhos
para a perfeição dos querubins
e a boca de espanto
esconderam-se dentro das nossas asas
para voar connosco
assim que aprendêssemos
lá de dentro segredaram-nos histórias
de bruxas lobisomens e fantasmas
perigos culpas castigos
e não encontrámos mãos para os tirarmos
do ninho construído com as nossas penas
os bichos gritam-nos que perdemos
a cada instante
e que as vitórias são longe
é preciso expulsar os bichos dementes
que nos trazem visões de adamastores
fazer-lhes uma cirurgia
abrir-lhes as entranhas
retirar-lhes o fel
implantar-lhes um coração qualquer
desde que seja um coração
é preciso afastar os bichos para longe
travar a força dos presságios
pintar as asas de branco

e voar limpos











A esta sessão seguiu-se um pequeno debate com questões da assembleia aos 2 poetas participantes e, finalmente, foi-nos oferecido um conjunto de livros.
Uma sessão fantástica, para recordar!

16 comentários:

  1. Sempre boas estas iniciativas
    partilhadas
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Apreciei muito a leitura da sua generosa partilha
    desta bela experiência.
    Para mim, o poeta não está ligado a publicação
    de livros que o represente, mas o sentir poético,
    a um estado de Ser poesia, a poesia acontece no
    vivencial antes da escrita, por isso, conheço poetas
    sem escrever poesia, mas no sentir e ler poesia
    como indispensável no seu olhar!...
    A poesia na expressividade de qualidade deve possuir:
    excelência no trabalho da linguagem (técnica),
    singularidade (originalidade), inspiração (sentir poético)
    e beleza imagética.
    Este seu poema é um bom exemplo desta poesia de
    qualidade, Graça!

    Desculpa pelo comentário extenso...rss
    beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode sempre ser extensa :))
      Também é assim que penso!
      beijinho

      Eliminar
  3. Gostei do "discurso"!
    Deve ter sido uma bonita sessão!
    Parabéns!
    :)

    ResponderEliminar
  4. Coimbra é poesia...
    O teu "discurso" foi muito bom, gostei imenso.
    Bom fim de semana, querida amiga Graça.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Graça, li com toda a atenção o seu "discurso" introdutório, nele compreendi de onde vem todo esse seu sentir profundo que faz de si uma mulher e uma poeta que admiro.
    Ser poeta para mim, que aspiro ainda a essa condição, é conseguir transmitir por palavras o que nos vai na alma.
    A Graça tem esse dom e só lhe posso dar os parabéns por nesse evento ter sido reconhecida como merece.

    Um beijinho com amizade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Fê!
      Para mim o poeta é também o que consegue transmitir por palavras o que lhe vai na alma e a Fê também consegue :))
      Obrigada pelas suas palavras amigas.
      beijinho

      Eliminar
  6. Esteve bem, Graça. É que o(a) poeta, para lá do ter, e por mais dúvidas que tenha, É, essencialmente.
    (Gostava de lá ter estado. Palavra!)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, querido AC!
      E eu gostaria de ter contado com a sua presença.
      Obrigado pelas suas palavras amigas.
      beijinho

      Eliminar
  7. Gostei de tudo o que disse sobre a poesia. Sensibilizou-me o que contou sobre a sua vida. O poema que aqui deixou é muito belo. Obrigada por partilhar.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. "Poesia, Liberdade livre" (A.Ramos Rosa)

    o que, em minha perspectiva, significa que a "poesia não tem donos"

    e, que a poesia é um "acto de liberdade" ao alcance de cada um, conforme a veemência do apelo (poético)~

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É exatamente isso!
      A poesia não tem donos!
      Obrigado
      bjs

      Eliminar