Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

domingo, 19 de março de 2017


A todos os pais, dignos desse título...

(Escrito aos 18 anos, 16 dias após perder o meu pai, cheia de saudades. Naif, simples, mas muito sentido - inédito)

Bendito o escritor
que na prosa deixa a vida,
bendito o poeta
que se imortaliza com os seus versos,
bendita a boa fama
que é única a vencer a lei da morte,
bendito alguém
que dá algo a outro alguém.
Bendito sejas tu, pai,
que eras poeta sem saber
porque tudo amavas muito.
Bendito sejas
porque me deste tudo,
porque eras alguém
e deixaste um lugar imortal
no meu coração!
Bendito sejas para mim!

GA


3 comentários:

  1. Sentido e com uma força enorme, capaz de abarcar todas as emoções.
    (Com 18 anos? Já havia casa da poesia, sem qualquer dúvida)

    Um beijinho, Graça :)

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito. E também gostei da fotografia.
    Perdi o meu pai vai para onze anos . Penso nele todos os dias.

    Um beijinho e um bom domingo:)

    ResponderEliminar
  3. Graça, sensibilizou-me o seu poema. Um pai que parte deixa sempre um enorme vazio. Eu para encontrar o meu tenho que regressar à mais longínqua infância...
    Uma boa semana.
    Um beijo, amiga.

    ResponderEliminar