Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

domingo, 8 de setembro de 2019



Realidade virtual editada


Sim, digamos que voltei temporariamente, após outra longa ausência: o trabalho, a luta diária e a mãe inválida de cadeira de rodas afastam-me da escrita pública que requer o seu tempo de maturação / edição e para a qual não tem havido oportunidade.
Hoje quero falar de realidade virtual editada. O verão está quase a terminar e, como quase todos nós tivemos oportunidade de ver, as redes sociais encheram-se de destinos de sonho, de fotos sem celulite e sem rugas, de bronzeados invejáveis e curvas perfeitas, de beleza filtrada.
É inegável que todos gostamos que gostem de nós, que todos gostamos de ter boa imagem e ser-se belo, bonito, ter bom ar, ser charmoso, apresentar uma vida de sonho, influencia de modo significativo a nossa imagem e a imagem que projetamos no outro.
Deste modo, engolem-se diariamente centenas de imagens de realidade filtrada, de frases feitas que cabem em todos os tempos e em todos os lugares e em nenhum em particular, tentando retardar o tempo e iludir a efemeridade, como se o tempo não passasse e como se a felicidade fosse um estado permanente. Não é. Entra-se na dormência da ilusão de que quanto mais bonito é o indivíduo, mais exótica a comida e longínquo o destino, maior será a felicidade. Acaba por se viver virtualmente a vida dos outros e, ao fazê-lo, deixa de se viver a sua própria vida. Tenta copiar-se o que passa a ser considerado a realidade modelo, numa corrente que arrasta multidões e as impede de pensar. A necessidade de aparecer, de estar visível é quase uma obrigatoriedade e, sem querer, embrutece-se. Perde-se tempo útil. É anulado o potencial de cada um que até poderia fazer chegar próximo das vidas de sonho que se chega a invejar. (Só próximo, porque filtradas).
O facto é que por mais bonita que seja uma foto com uma cara bonita ou com um corpo modelado, por mais maravilhoso que um destino possa parecer, não revela os problemas, as dificuldades, os desesperos económicos, sociais e familiares, pois cada um só mostra aquilo que convém para transmitir a imagem que quer passar de si.
O importante mesmo é tentar fazer uma gestão equilibrada do tempo entre afazeres e lazer e tentar realizar algo de interessante que enriqueça verdadeiramente o dia a dia de cada um, nem que seja por breves instantes. Mostrar ao outro a vida passo a passo deveria ser secundário. Usufruir o momento de assistir a um concerto, por exemplo, sem ter que o fazer de smartphone à frente da cara em diretos, por vezes, ridículos.
Estamos cá para ser felizes, para dar o melhor de nós e o caminho é ser genuíno e autêntico. Ocupar-se. Olhar para si e por si. Ver-se por dentro. Observar os outros também, qb. Ser crítico. Não engolir a realidade tal como nos é apresentada. Tentar aprender. Ser melhor. Os destinos paradisíacos e os paraísos verdadeiros são os lugares onde somos felizes e eles estão dentro de nós.


Aqui, uma pequeníssima parte do meu mundo...


A recarregar baterias


Eu e uma das minhas estrelas



Um pequeno paraíso


Balançando a olhar o céu




Passeando










6 comentários:

  1. Fiz a reorientação mas fui parar ao número abaixo. Estaria o AL ainda em construção? Provavelmente a velocidade virtual estava suspensa de decisão humana.
    Tão azul, natural, simples pode ser a felicidade. Querer ser-se sempre feliz é de tolo. Está na natureza das coisas e nas coisas da Natureza a alternância de "humores".
    Subscrevo, sem reservas, o que a Graça escreveu. O que por aí anda é a comercialização da ilusão. A simplicidade, a expontaneidade, a autenticidade não se conformam no paradigma virtual. A tendência é para que tudo na vida, o "êxito", seja construído na simulação, na pressa, na depressão.
    Beijo, Amiga GA, e parabéns pela figuração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Agostinho!
      Tinha tantas saudades suas. O que escrevemos às vezes leva a erróneas interpretações, mas o Agostinho entende-me tão bem!
      Muito obrigado pela visita e pelas suas palavras.
      Os ares aqui são algo diferentes.
      Beijinho

      Eliminar
  2. Querida Amiga.
    Gostei de ter notícias, ao tempo!
    Também foi muito agradável ler esta dissertação.
    Quanto à propaganda turística, acho-a necessária,
    tanto mais que é uma indústria que enriquece o país.
    Quem viaja, sabe que as coisas não são como as pintam,
    basta pensar em greves, bichas por todo o lado...
    Um Setembro muito agradável e vai aparecendo.
    Beijinhos
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de a rever Majo!
      Concordo quanto à propaganda turística, mas o pior é o resto...a vaidade de uns e a falta de autenticidade de outros...ter um blogue cultural de viagens feitas ou por fazer, perfeito! É a outro mundo virtual que me refiro, não a este.
      Beijinho grande e até já

      Eliminar
  3. Que bom foi voltar a lê-la, Graça. Concordo com o que diz sobre a realidade virtual. Sei também que o lugar onde somos felizes e livres é dentro de nós… Adorei ver as fotografias.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Nunca percebi a indomável vontade que alguns sentem em mostrar-se aos outros nas redes sociais, mas apenas em determinados ângulos (que julgam ser os melhores). Será complexo de inferioridade? Não sei. O que sei é que não "engulo" a aparente felicidade que é exposta, muitas vezes sem qualquer pudor.
    Gostei do texto, magnífico, com o qual me identifico.
    Também gostei que tivesse voltado.
    Graça, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar