Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Mais pássaros

o cetim foi rasgado pelo tempo
e na manhã que não devia ter nascido
os pássaros desiludidos gritaram
assustados pelo deus fingido
que caiu do pedestal
desmascarado
sem brilho e sem sorriso
não desejes entrar no meu poema
antes o que és assim ainda o nada
o mistério por descobrir

e o passo por inventar

GA


18 comentários:

  1. Estava a ver que não conseguia dizer-te o quanto apreciei este poema !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Tens é que acertar o relógio, Graça.
    Marca 12:07, quando eram 20:07...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João, obrigado!
      Quanto ao meu fuso horário anda permanentemente alterado, mas vou tomar mais cuidado.
      Obrigado pela recomendação :)
      beijinho

      Eliminar
  3. Graça:
    Um belo poema que nos faz pensar na sabedoria dos pássaros.
    Um beijinho com o desejo de um bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Fê!
      Sim...a importância da sabedoria na vida...
      Obrigada
      Um beijinho e um bom fim de semana.

      Eliminar
  4. É bonito, mas parece-me um pouco triste.
    A desilusão afunda-nos, mas felizmente existe o canto dos pássaros:)

    Um beijinho e um bom fim-de-semana:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Isabel!
      Sim, é triste, mas depois de realizar o poema, fica o alento!
      Beijinho e bom domingo :)

      Eliminar
  5. Os pássaros voejam dentro de nós quando lemos poemas assim bonitos

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  6. Quando
    Na aventura da vida
    Nem tudo brota
    Nem tudo alumia
    DO poema
    Benfazejo
    Faz-se terapia...

    Gostei muito, Graça!
    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também gostei muito do comentário, AC.
      Um beijinho e bom fim de semana :)

      Eliminar
  7. Gracinha,
    Gostei muito destes pássaros que assustaram o deus fingido.
    Beijinhos.:))

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  9. Há deuses fingidos que não caem dos pedestais com facilidade... E os seus sorrisos continuam mascarados...
    O poema é excelente, gostei imenso, ainda que um pouco enigmático, podendo ser interpretado de várias maneiras. Mas isso representa riqueza poética.
    Continuação de boa semana, Graça.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, sim, Jaime...nada mais a acrescentar ao que disse tão bem!
      Um beijinho e boa semana :)

      Eliminar
  10. Há deuses, sim,
    que se elevam de mais,
    julgam-se pássaros mas não,
    vivem no jogo da simulação,
    ou seja,embora cantem, "nada".
    Faltam-lhes coragem:
    as asas de voar.

    Boa noite, GA. Tem aqui um belo poema que pode espelhar bem aquele estado de alma que sobrevem a uma desilusão.
    Um bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desilusão, sim, a palavra certa :)
      Felizmente há céus azuis...
      beijinho

      Eliminar