Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

sábado, 21 de janeiro de 2017



Absurdos são os contornos dos dias em que esmagamos o silêncio contra as paredes da casa e renascemos das noites de amargura para viver outra vez. Somos páginas soltas à deriva no espaço. Podíamos dar as mãos neste intervalo, que tem o tamanho triste de uma vida, mas estacamos renitentes aos abraços. 

Os ventos que nos rumam sopram em direcções contrárias. O medo oprime-nos enquanto sorri e acena-nos de todas as frestas com uma ilusória bandeira da paz.


20 comentários:

  1. Boa tarde, querida Graça!
    Altos e baixos, cores contrastantes pela vida afora.... vale viver corajosamente e poetar lindamnte como o fez!
    Bjm muito fraterno

    ResponderEliminar
  2. Graça,
    Ultimamente, quando a leio, sinto que há algo em grande, por aí, a fermentar.
    Siga o rumo!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  3. "Estacamos renitentes aos abraços"
    na prudência hipócrita dum medo profilático que denuncia a natureza rasa das cavernas. Sempre o medo desde os primórdios da humanidade. E ainda o medo que se apresenta travestido de mil roupagens, como a falsidade:
    "o medo oprime-nos enquanto sorri".
    Haja coragem de esconjurar esse mal.
    Boa semana, Graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim seja, que sejamos sempre corajosos para lutar contra o medo.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Aqui inscrito um belo grito poético que rompe o silêncio.
    Talvez o mundo esteja a precisar de vários gritos a
    romper um silêncio passivo (e não pacífico...) ao encontro
    de mãos que que buscam uma caminhada por esta paz mundial!...
    Um domingo em paz, Graça.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, precisamos de gritos pacíficos...
      Obrigada, beijinho

      Eliminar
  5. Passamos a vida a caminhar
    tantas vezes contra o vento
    com os nossos passos

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas temos de remar contra a maré...
      Obrigada, bj

      Eliminar
  6. Gostei mesmo deste texto, Graça. Há tempos li, num muro, onde estava escrito, o seguinte: "se todos déssemos as mãos, não havia ninguém para pegar em armas"...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Dar as mãos, dar abraços e perder o medo. Eis uma fórmula que daria bons resultados.
    Magnífico texto, gostei muito.
    Graça, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Na verdade, se nos ajudássemos mais, uns aos outros, em vez de nos defendermos ou atacarmos, seriamos certamente mais felizes.

    O desenho é tão giro, parece um dos da minha sobrinha...

    Beijinhos:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era esse o caminho que a Humanidade deveria seguir.
      beijinhos, querida Isabel!

      Eliminar
  9. Lindo tal como o desenho é lindo.
    Beijinho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Ana :))
      O desenho é de uma das gémeas :))
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Seria tão mais agradável este intervalo entre o nascimento e a morte se a Humanidade toda percebesse finalmente que a bondade vale a pena.

    Beijinhos

    ResponderEliminar