Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

sábado, 28 de janeiro de 2017



Meu coração partiu não está em mim
Vai a fugir no meu sonho a cavalo
Diz-me adeus e que é melhor assim
Resgatar-me deste meu ser vassalo.

Antes vivia a vida em frenesim
Na agitação constante de encontrá-lo
Agora esta dormência a que advim
Esta paz triste e lenta em que resvalo.

Agora já não choro por amor
Nem ânsia ou qualquer fúria me detém
Mas uma angústia longa de refém.

E de manhã acordo nesta dor:
Meu coração fugiu - analisei
Mas será que o perdi ou o encontrei?


Elevador do Mercado - Coimbra


Campos do Ribatejo

Cavalo da Escola Secundária D. Duarte


25 comentários:


  1. Que maravilha este soneto, espanta!
    não tão magoado como fosse Espanca.

    Parabéns, Graça Alves.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Agostinho!
      Regressei aos sonetos :)
      Beijinhos

      Eliminar
  2. É lindo o poema e gostei muito das fotografias, especialmente da primeira.
    Um beijinho e um bom domingo:)

    ResponderEliminar
  3. Gracinha,
    Tão bonito este poema.
    Acho que vi um rascunho... mas de longe.
    Adorei as imagens.
    Há cavalos alados que partem e voltam o problema está é se não os queremos acordar.
    Beijinhos.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ana!
      Sim, viste o rascunho :)))
      Pois, a verdade é essa!
      Beijinhos e obrigada pela presença, também física!

      Eliminar
  4. Difícil a "arte" do Soneto. a que não me atrevo.
    mas fiquei deslumbrado com esta partilha.

    beijo

    ResponderEliminar
  5. Que demora a fazer, demora :)
    Obrigado!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Um excelente soneto com todos os ingredientes. Nem faltou a mágoa de um amor ausente (ou não)...
    Gostei das fotografias.
    Uma boa semana, Graça.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Gostei tanto deste soneto que o publiquei no meu perfil do G+
    onde o clssifiquei como magistral...
    Acrescento que além de estar formalmente impecável, é de una
    expressividade excelente.
    Dias felizes, estimada Graça.
    Beijinhos.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palavras que me sensibilizaram, as suas!
      Já fui espreitar o Google +
      Obrigada pelo apreço!
      Beijinho

      Eliminar
  8. Um soneto magnífico, do princípio ao fim.
    Gostei imenso.
    Graça, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Querida Graça fugi do cansaço para visitar os blogs amigos, e encontrei seu lindo, maravilhoso soneto, como foi bom vir por aqui.
    Parabéns
    saudades, beijinhos Léah

    ResponderEliminar
  10. A arte do soneto, em que a Graça parece cavalgar com uma segurança admirável.
    Adorei!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  11. Graça;
    Aprecio que sabe fazer sonetos, ainda mais assim tão belos. Uma arte a que não consigo atinar :)

    Só a poeta poderá responder a essa pergunta.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Fê, só o eu poético terá a resposta para tal enigma...
      beijinhos

      Eliminar
  12. Um belo coração poético na direção
    da liberdade interior!...
    Parabéns pela mestria da arte do soneto,
    excelente e muito belo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  13. Belo poema, Graça, carregado de sentimento e de cores, onde cada palavra está porque precisa de estar. Assim dizia a nossa Sophia de M.B.Andresen. Gostei muito. Bjs

    ResponderEliminar