Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

domingo, 4 de setembro de 2016


embarco novamente nas trincheiras da guerra
de tantos sorrisos beligerantes         
de armas em punho
o sol habitado de medo
esbate-se por entre o fumo dos bombardeamentos
minando monstruosamente
a inútil cautela das tropas
as ofensivas militares
provocam frio no estômago
rebentam por toda a parte
granadas de violência e ódio
os brados precipitam-se nas nuvens
e desmoronam-se contra o chão
a vida presa por um fio
sem tréguas nem oásis
a luta diária é um arco-íris
uma miragem

a baloiçar entre o céu e a terra


29 comentários:

  1. Graça,
    A vida é constante escolha, embora, na maior parte das vezes, tenhamos que lidar com os seus escolhos. Apesar de tudo, e porque há aromas de nunca devemos prescindir, deixo-lhe uma flor.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo ;)
      A vida é uma guerra dura da qual nos devemos salvar...venha de lá essa flor.
      Obrigado
      beijinho

      Eliminar
  2. Gostei sobremaneira deste poema!
    Pelo tema, tão oportuno e tão inusitado,
    e pela construção esmerada e muito bem conseguida.
    Está belíssimo e tocante, Graça; os meus parabéns.
    Grande abraço.
    ~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  3. A poeta esgrime metáforas em luta a que não é alheia. Cavam-se na sala diferenças, indiferenças, afrontas... O combate tem hora aprazada e na ausência de cor cresce um arco íris perlado a gotas de medo.
    Bom trabalho para os dias que chegam.

    ResponderEliminar
  4. Entre a noite e o dia, terá caído do céu napalm pois que da bandeira, por mim plantada, nem cinza para a amostra.
    Graça, os meus míopes olhos do entendimento viram, na "tremenda" metáfora, inominada, um espelho que anuncia guerra iminente (começará esta semana, será?) Não há como ir para além do espelho, entrar nas salas onde a luta se trava de "peito feito" e de armas na mão.
    Coragem e boa sorte neste novo ano.
    A bandeira não era esta, mas quase.

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A bandeira poderá ser essa, sim , querido amigo, mas essa, a das salas, é quase sempre uma bendita guerra santa! A guerra a que me refiro metaforicamente é a vida de combate que todos levamos, de uma maneira ou de outra contra a competição e as máscaras, sejam elas quais forem (os sorrisos beligerantes), do mundo.
      Grande abraço!

      Eliminar
    2. Bendita Guerra Santa, Graça!
      Porém, recordo os meus anos parvos, a forma como infernizávamos certos professores.
      Bj.

      Eliminar
    3. Também tive a minha dose, Agostinho! Fui certinha mas nem sempre :))
      bjs

      Eliminar
  5. Que poema triste e perturbante, Graça. A luta diária de quem vive em guerra deixa-nos o sentimento de impotência perante tanta crueldade...
    Gostei mesmo.
    Um beijo, amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito triste, sim, Graça!
      Obrigada pelo apreço!
      beijinho

      Eliminar
  6. baloiçar entre o Céu e a Terra é o drama do nosso tempo.
    ainda bem que há poetas como tu que não receiam descer a terra e "sujar as mãos", isto é, tomar partido.

    gostei muito

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos cá também para denunciar e a palavra é uma arma, sem pólvora, mas também poderosa!
      Grata
      beijinho

      Eliminar
  7. Aprender aprender sempre
    até à ultima pétala
    Bj

    ResponderEliminar
  8. Graça apesar de triste e contundente seu poema é lindo.
    Estamos sempre em guerra, apesar de esperar a paz com cores de um arco-íris para iluminar a escuridão que pouco a pouco nos abraça.
    beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, quase sempre estamos...
      Obrigada pelo seu comentário.
      beijinhos

      Eliminar
  9. Desejo que esse balanço penda mais para o céu do que para a terra, mas sei que não é fácil.

    Um beijinho Graça

    ResponderEliminar
  10. Olá Graça,

    "A luta diária é um arco-íris
    uma miragem"
    A consciência profunda desta fragilidade nos
    possibilita com os pés no chão e o voo do sentir
    que transcende neste arco-íris, a própria vida.
    Este voo poético das suas palavras revelam a
    sensibilidade rara de uma poeta que rege o
    significado maior da vida.

    Apreciei muito o seu espaço de arte poética
    e o tempo de leitura aqui dos seus
    belos e profundos poemas.

    Abraço de admiração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Suzete!
      Bem-vinda a este meu espaço!
      Agradeço imenso as suas palavras e o seu apreço por este espaço.
      Retribuo o abraço

      Eliminar
  11. A vida pode ser uma guerra.
    Mas convém não levá-la muito a sério... é passageira e não tem retorno.
    Sempre inspirada, excelente.
    Graça, tem um bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. A eterna luta dos hemisférios, cerebrais e geográficos, em equilíbrio sempre precário. Por vezes, quando a esperança tende a esbater-se, parece ser este o nosso destino: beligerantes até ao fim.
    Grande poema, Graça.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, AC, sempre beligerantes...
      beijinho e obrigado pela vinda!

      Eliminar
    2. Sim, AC, sempre beligerantes...
      beijinho e obrigado pela vinda!

      Eliminar
  13. Gostei do poema e a fotografia está lindíssima! Também é sua?...

    Um bom domingo:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Isabel!
      Sim, s fotografia é minha também :))
      beijinhos e obrigada

      Eliminar
    2. Olá, Isabel!
      Sim, s fotografia é minha também :))
      beijinhos e obrigada

      Eliminar