Caminhos

Caminhos
Porque não pode haver outra forma senão a de existir tal como somos...

segunda-feira, 24 de outubro de 2016



Desfilam bailarinas e saltimbancos apetrechados de arsenais coloridos. Dramatizam loucamente em danças vertiginosas e perfeitas. Ostentam beleza e sorrisos esplendorosos. As máscaras estão gastas e os números repetidos, mas experimentam incessantemente novos arremedos para divertimento dos espectadores. Soam palmas. Os mais críticos queixam-se e gritam da plateia que é preciso deixar fermentar a verdade, banir a hipocrisia, a vaidade e a falsa ostentação.

No palco, todos estão surdos.


19 comentários:

  1. Na verdade
    abre o pano
    cai o pano
    o tempo passa

    inexorável
    até ser dia


    ResponderEliminar
  2. Eu também estou na plateia, Graça, a gritar bem alto que é "preciso deixar fermentar a verdade, banir a hipocrisia, a vaidade e a falsa ostentação".
    Magnífico!
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Não se levanta um dedo para que o figurino seja outro. Os avençados têm contratos perenes?
    Gostei da forma como a Graça desfez a tenda.
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Pensam que têm, Agostinho, mas andam enganados!
      Bj

      Eliminar
  4. Excelente alegoria!
    Visados os que estão debaixo da luz da ribalta, cujo
    espetáculo somos obrigados a acompanhar, pois deles
    - bailarinas e saltimbancos - depende o nosso destino.
    Sou dos que protestam e poucos ouvem...
    Gostei muito do texto, estimada Graça.
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
  5. E protesta muito bem, Majo!
    Grata pelo apreço!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Apesar de estar do outro lado do oceano, por aqui é tudo igual, sempre o mesmo palco, mudam os atores mas não os arremedos ou as mascaras.

    Ótimo texto mostra toda a sua lucidez.
    beihinhos, Léah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um mundo de homens bons que não sabem aplicar a bondade!
      beijinho e obrigada

      Eliminar
  7. Também faço parte dos que protestam e hei-de protestar até que as mãos me doam.
    Excelente texto e reflexão, como aliás já nos habituou amiga Graça.
    A foto do espantalho está perfeita!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Fê e faz muito bem.
      Fui eu que fiz o espantalho :))
      Obrigada

      Eliminar
  8. A maioria são mesmo surdos.
    Por isso, só com abanões é que ouvem...
    Magnífico texto, minha amiga, gostei imenso.
    Graça, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A maioria é mesmo surda, tem razão, mas nem com abanões...
      Obrigada
      bjs

      Eliminar
  9. Tristes vão os tempos, Graça. De tal forma que, mesmo que alguém diga que o rei vai nu, todos encolhem os ombros. Apenas interessa sobreviver, mesmo que sem dignidade.
    Obrigado por ser quem é, obrigado por partilhar o que vai nessa alma inconformada.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos de ser bons, não é, querido AC? Pelo menos na nossa esfera restrita, já que pouco podemos fazer. Resta-nos, a si e a mim, o prazer da palavra que vamos mastigando incessantemente com esperança de que chegue a algum lugar.
      beijinho e bom domingo

      Eliminar
  10. Anda tudo um pouco cego, surdo e mudo...

    Beijinhos, Graça. Uma boa semana:)

    ResponderEliminar
  11. Graça,
    O mundo do espectáculo é assim.
    Tiram-se as máscaras e resvalam as lágrimas.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  12. Tudo fingimento...

    Bom domingo e grande abraço, Graça

    ResponderEliminar